Imigração em Portugal e por que você não deveria vir sem o visto adequado

Toda vez que escuto ou leio alguém falando que vai vir para Portugal como turista para depois tentar trocar o visto/autorização de residência para trabalho, estudo ou qualquer coisa assim, uma fada morre. Piadas de lado, a verdade é que eu vejo esses comentários com uma frequência assustadora, que tem crescido cada vez mais. Ao mesmo tempo, saiu recentemente a notícia de que mais de 1.600 estrangeiros foram retidos na fronteira por não reunirem condições legais de entrar no país.

Em primeiro lugar, se imigrar para Portugal é seu interesse, recomendo fortemente que você leia o texto que já escrevi sobre tipos de visto para brasileiros no país e as condições para consegui-los, e também o passo a passo sobre como estudar em Portugal.

Tenha em mente o seguinte, brasileiros têm dispensa de visto para ficarem em Portugal (e todos os países do Espaço de Schengen) por 90 dias, mas para turismo. Até dá para tentar burlar essa regra, como expliquei nesse outro post aqui.

roteiros em portugal palacio de mateus

A questão é que se você não pretende ser turista, mas quer entrar como turista, seus problemas estão só começando.

Antes de embarcar

Já no aeroporto, algumas companhias aéreas têm parceria com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) português e podem (e vão) impedir o embarque de passageiros sem um visto adequado e que não tenham uma passagem de retorno para dali a 90 dias. Conheço mais de uma pessoa que teve esse problema, mesmo apresentando todos os documentos da universidade que estava matriculado.

Como é a imigração em Portugal

Mesmo que você passe por isso, chega a imigração. O número de brasileiros recusados na imigração e enviados de volta para casa dobrou, como disse na abertura deste texto. Mesmo eu, que tenho autorização de residência para trabalho, senti que aumentou o escrutínio e a pressão dos agentes do SEF na imigração.

Se você for só um turista, quando passa na imigração em Portugal, basta apresentar os documentos referentes a sua relação com o Brasil, comprovantes de reservas em hotéis (ou carta-convite), vouchers de passeios, roteiro da viagem e dinheiro suficiente para se sustentar no período: 75 euros + 45 euros por dia de viagem.

Porém, se você pretender ficar por mais tempo que os 90 dias permitidos, vai ter que convencer os agentes da imigração, com toda a documentação pedida para os turistas, que você não está fazendo o que pretende fazer, que é ficar mais tempo do que o permitido. A qualquer momento, o agente da imigração pode recusar a sua entrada e te enviar para casa. Em 2016, a estatística diz que 58% dos recusados na imigração eram brasileiros.

Depois de entrar em Portugal: o SEF

Quem é turista não precisa se preocupar com o SEF, a não ser que queira pedir mais 90 dias extras. Se você pretende imigrar para Portugal, esse será um lugar importante. A questão é a seguinte: qualquer imigrante que chega a Portugal precisa ir ao SEF para pedir a autorização de residência. E quem tem visto de estadia temporária precisa ir ao SEF apresentar uma declaração de entrada, se entrar por uma fronteira não portuguesa.

Se você vem do Brasil já com o visto tirado num consulado português, basta apresentar os documentos pedidos pelo SEF e você ganha o cartão de residente. Porém, se seu plano é chegar em Portugal como turista e pedir a autorização de residência para trabalho ou estudo sem o visto, a situação complica: você tem que apresentar uma manifestação de interesse no site ou agendamento telefônico para conseguir uma marcação no SEF e se regularizar.

O problema é que são muitas pessoas e datas limitadas, levando a um tempo de espera elevado, de mais de 6 meses, para conseguir tal marcação. Durante todo esse período de espera, apesar de você não ser considerado ilegal em Portugal, estará irregular para todo o resto da União Européia, não poderá viajar, e também pode ter problemas caso decida ir ao Brasil e voltar.

Como trabalhar ou estudar em Portugal

bate-volta-coimbra-portugal

Se você quer viver em Portugal, o caminho mais fácil, para quem não tem dupla cidadania europeia, é estudar ou trabalhar. Estudar é simples: basta ser aprovado numa universidade portuguesa. Trabalhar não é tão simples. Para começar, entenda que Portugal é um país com poucos postos de emprego disponíveis. Não é fácil para ninguém.

Se você quer trabalhar aqui, o jeito é buscar em sites de emprego ou entrar em contato com empresas. Eu não sei dizer como é o campo de trabalho em nenhuma área!  Ainda há a possibilidade de trabalhar por conta própria como freelancer ou abrir uma empresa aqui. Mesmo assim, é importante pedir o visto no Brasil antes de vir.

Leia também: Como é ser estudante em Coimbra

Como é morar no Porto

E um adendo importante: não espere vir para Portugal para juntar dinheiro. O salário mínimo no país é de menos de 600 euros. O custo de vida é barato, mas os preços dos aluguéis são altíssimos, principalmente para quem não tem documentação.

O que acontece com frequência são brasileiros vindo sem visto, chegando aqui para procurar emprego e conseguir um contrato para poder abrir uma Manifestação de Interesse no SEF e conseguir se legalizar. Na prática, acabam caindo em situação precárias, muitas vezes humilhantes, porque existem sim pessoas que se aproveitam do desespero de quem precisa de um contrato.

Ou seja, fica o alerta: Não venha para Portugal sem visto!

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países da Europa e pode ser exigido na hora da imigração. Além disso, é importante em qualquer viagem. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.


Compartilhe!







Quer nosso kit de Planejamento de Viagens?
Contém um Ebook, tabelas de orçamento,
roteiro e check-list (DE GRAÇA!)




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

176 comentários sobre o texto “Imigração em Portugal e por que você não deveria vir sem o visto adequado

  1. Eu fico pensando se vale arriscar. Estou matriculada no mestrado e o início das aulas é em setembro. Não imagino que será adiado, já que a universidade segue com atividades presenciais. Tinha o meu horário agendado na VFS, mas que segue fechada. Mesmo que os atendimentos sejam retomados logo, dificilmente o visto ficará pronto até setembro. E ai, o que fazer, né?! Sigo esperando por novas notícias.

  2. Olá! No Brasil eu trabalho em regime de home office. Seria possível ir para Portugal como turista e logo dar entrada na minha manifestação de interesse junto ao SEF e obter autorização temporária de permanência? Não tenho intenção de trabalhar em Portugal, apenas viver lá com o trabalho que já executo no Brasil. Obrigado.

    1. Olá Fernando,

      É um pouco complexo pedir o visto de trabalho em Portugal com trabalho remoto no Brasil. Para conseguir fazer isso eu precisei abrir uma empresa em Portugal e gerar recibos verdes aqui. Isso implica em dupla tributação.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.