Norte da Argentina: roteiros de viagem e destinos imperdíveis da região

É difícil caminhar pelas ruas de Buenos Aires e não escutar nosso velho português. No entanto, a multidão de brasileiros que invade a cidade portenha todo santo fim de semana ainda não descobriu as maravilhas do norte da Argentina. Por lá, somos figurinhas bem mais raras, ao contrário dos europeus.

Para te ajudar a conhecer os cantinhos mais incríveis dessa área ainda pouco explorada, montamos esse guia completo de destinos e roteiros no Norte da Argentina.

Leia também: 
Dicas de viagem para Salta e Jujuy
Onde ficar na Quebrada do Humahuaca
O que fazer em Salta, Argentina
Onde ficar em Salta: dicas de hotéis e regiões

O que é, onde fica e o mapa do Norte da Argentina

O norte da Argentina – na realidade, é o noroeste de acordo com a divisão política local – é formado pelas províncias de Salta, Jujuy, Tucumán, Catamarca, La Rioja e Santiago del Estero. Faz parte de uma região conhecida como Altiplano Andino, o maior planalto da América do Sul, que envolve também partes de Chile, Bolívia e Peru.

A localização não é a única coisa que essa região divide com os seus vizinhos: dona de uma cultura própria, uma mescla da influência espanhola com a tradição viva dos povos indígenas nativos dos Andes, gastronomia marcante e paisagens cheias de cores e contrastes típicos dali, o norte da Argentina proporciona uma experiência de viagem completamente diferente do restante do país.

A região fica entre 3.000 e 4.000 metros acima do nível do mar (o que, acredite em mim, é bastante) e tem clima árido. A paisagem, dominada por tons terrosos, surpreende a cada curva com uma nova montanha colorida (pela presença de minerais), cactos gigantes (conhecidos como cardones), estradas que serpenteiam entre as montanhas, desertos de sal, vilas perdidas no tempo e até mesmo vinícolas e picos nevados.

Norte da Argentina - Roteiro

Melhor época para visitar o norte da Argentina

Os meses de dezembro, janeiro, junho e julho são os que têm as temperaturas mais extremas, por serem as temporadas do alto verão ou inverno. O verão costuma ser chuvoso e o inverno, seco.

Por esse motivo, a melhor época para viajar para o norte da Argentina é entre fevereiro e maio e entre agosto e novembro. Fui em setembro e a temperatura estava bem agradável, fazia um friozinho de manhã e durante a noite, mas esquentava um pouco durante o dia; o tempo estava sempre claro e com um céu lindo.

Seguro de viagem para a Argentina

Contratar um seguro de viagem é essencial na Argentina e em qualquer viagem. Por mais que seja perto de casa, o melhor é viajar protegido para não sofrer com os imprevistos. Veja a aqui algumas razões e dicas de como pagar menos de 10 reais por dia no seguro, com cupom de desconto!

Seguro Viagem: América do Sul
Affinity 15 + Telemedicina Affinity 15 + Telemedicina Assistência médica USD 15.000 Bagagem extraviada USD 1.000 (SUPLEMENTAR) R$ 14/dia*
AC 35 MUNDO (Exceto EUA) + TELEMEDICINA AC 35 MUNDO (Exceto EUA) + TELEMEDICINA Assistência médica USD 35.000 Bagagem extraviada USD 1.200 (COMPLEMENTAR) R$ 15/dia*
Intermac 15 Turístico Internacional Intermac 15 Turístico Internacional Assistência médica USD 15.000 Bagagem extraviada USD 350 (SUPLEMENTAR) R$ 17/dia*

O que incluir nos roteiros pelo norte da Argentina: principais destinos

Os principais destinos turísticos do norte da Argentina são:

  • Salta
  • Cafayate
  • Quebrada das Conchas
  • Cachi
  • Parque Nacional Los Cardones
  • Salinas Grandes
  • Purmamarca
  • Tilcara

Salta

Norte da Argentina - Salta

Capital do estado argentino de mesmo nome, Salta é uma linda cidade colonial localizada próxima à Cordilheira dos Andes, num local chamado Vale de Lerma. Se os imponentes casarões relembram o passado de riquezas e prestigio da cidade, a natureza se encarrega do resto: o lugar é cercado de parques, montanhas, desertos e outras belezas naturais.

Por ser também um polo cultural no norte da Argentina, essa é uma excelente porta de entrada para a cultura andina no país, suas tradições e gastronomia. Por todos esses motivos, Salta é a escolha mais popular como base para os viajantes que exploram a região.

Dali, é possível contratar inúmeras agências que organizam passeios de um ou mais dias para as atrações mais próximas. Há também uma boa oferta de hotéis e restaurantes, além de bares e casas noturnas. Veja aqui o guia completo sobre o que fazer em Salta.

Alguns hotéis recomendados em Salta: 

Quebrada das Conchas

Também conhecida como Quebrada de Cafayate, a Quebrada das Conchas é um deserto que um dia já foi mar. O lugar é repleto de montanhas de cores fortes e formações rochosas curiosamente retorcidas, formando uma paisagem bruta, árida e com ares extraterrestres. Não é sem motivo que essa é considerada uma das estradas mais marcantes do país.

Cafayate

Norte da Argentina - Cafayate

Localizada a 180 quilômetros de Salta, Cafayate se destaca pela atmosfera pacata de cidadezinha do interior, pela famosa produção de vinho e pelas belas paisagens áridas em seu entorno. Na rota 68, que leva à Quebrada das Conchas, uma das estradas mais bonitas do país, esse vilarejo é uma surpresa pouco conhecida do norte da Argentina. Leia mais sobre Cafayate e a Quebrada das Conchas.

Alguns hotéis recomendados em Cafayate:

Cachi e o Parque Nacional Los Cardones

ESTRADA - ARGENTINA - Cachi

Cachi fica a 100 quilômetros de Salta e 1100 metros acima da capital da província. Essa pequena vila de 5 mil habitantes está no alto das montanhas. O caminho até lá proporciona algumas das vistas mais incríveis da região e uma inesquecível aventura por um parque repleto de cactos gigantes.

O bate-volta até Cachi, passando pela famosa estrada Cuesta del Obispo, uma das mais bonitas do país, e pelo fantástico Parque Nacional los Cardones, é o que envolve menores distâncias a partir de Salta. Mas como o percurso requer subir cerca de 2 mil metros, prepare-se para passar um bom tempo dentro do ônibus (e para mascar coca). Vale a pena. Leia nosso texto completo sobre Cachi e o Parque Nacional los Cardones.

Tilcara

Tilcara, na Argentina

Localizada a 84 quilômetros de San Salvador de Jujuy, capital da província de Jujuy, Tilcara faz parte do roteiro da Quebrada do Huamahuaca, um vale repleto de paisagens áridas e estonteantes, montanhas coloridas e cidadezinhas perdidas no tempo.

Tilcara é a melhor opção de base para quem tem mais tempo na região e quer explorar com calma a Quebrada das Conchas. Embora os passeios sejam possíveis a partir de Salta, as distâncias até ali são longas e day trips podem ser bastante cansativas.

Por isso, se você tiver seis dias ou mais, o ideal é dividir a estadia entre as duas cidades. Leia mais sobre o que fazer em Tilcara.

Encontre mais hotéis em Tilcara

Salinas Grandes

Norte da Argentina - Salinas Grandes

As Salinas Grandes são o segundo maior deserto de sal do mundo, atrás apenas do Salar de Uyuni, na Bolívia. Embora fique na província de Salta, está mais próxima de Purmamarca ou Tilcara, podendo ser visitada com uma day trip a partir de qualquer uma das três cidades. Leia mais sobre as Salinas Grandes aqui.

Cerro de los Siete Colores e Purmamarca

Purmamarca fica na província de Jujuy, a 65 quilômetros da capital San Salvador de Jujuy e a 22 quilômetros de Tilcara. A vila de dois mil habitantes é formada por casinhas de adobe emolduradas pelo Cerro de Siete Colores, uma montanha colorida que é o principal atrativo da vila e um dos cartões-postais mais famosos do norte da Argentina.

Purmamarca faz parte da Quebrada de Purmamarca e, muitas vezes, também é considerada parte da Quebrada do Humahuaca. Leia aqui o texto completo da cidade.

Algumas das acomodações recomendadas em Purmamarca são:

Roteiro pelo norte da Argentina: de 5 a 9 dias

  • Dia 1: Chegada em Salta
  • Dia 2: Explore as principais atrações da cidade, caminhando pelas ruas e casarões coloniais, a Praça 9 de Julho, a Catedral de Salta e o Museo de Arqueología Alta Montaña, para ver as três Múmias Incas de Llullaillaco. À noite, aproveite para assistir a uma tradicional peña folclórica norteña.
  • Dia 3: Day trip a Cachi, passando pelo Parque Nacional los Cardones.
  • Dia 4: Day trip a Cafayate. Aproveite para degustar os vinhos da região em uma das vinícolas da cidade. Não deixe de fazer uma parada no caminho para conhecer a Quebrada das Conchas. Se você tiver tempo, pode passar a noite em Cafayate, para visitar mais vinícolas no dia seguinte antes de retornar a Salta.
  • Dia 5: Day Trip para Salinas Grandes. Se você contratar com agência, provavelmente vai ter a oportunidade de conhecer outros lugares da região, como a ponte La Polvorila, por onde passa o Trem das Nuvens, a antiga vila mineira de San Antonio de los Cobres e a simpática cidade de Purmamarca. Quem estiver de carro pode fazer essas paradas por conta própria.

Se seu tempo é curto, a viagem termina aqui. Quem for ficar mais tempo pode aproveitar que já vai estar com metade do caminho andado e se mudar para Tilcara, fazendo da vila a segunda base da viagem.

  • Dia 6: Purmamarca e o Cerro de los Siete Colores. Não deixe de visitar a feirinha de artesanato e fazer a caminhada pelo Paseo de los Colorados.
  • Dia 7: Visita ao Pucará de Tilcara pela manhã. Aproveite os restaurantes e o clima da cidade pela tarde.
  • Dia 8: Partida de volta para Salta ou para outras partes do país.

Road Trip pelo norte da Argentina: vale a pena alugar um carro?

Pode facilitar a sua vida, já que os passeios turísticos partindo de Salta são engessados e burocráticos. No entanto, as estradas por lá não são fáceis. Em muitos trechos, como os que levam a Cachi e Cafayate, você pode ter que enfrentar vias estreitas e curvas na subida, sem falar no risco de sofrer com o mal de altitude.

Caso opte por isso, nós indicamos o RentCars, que busca entre as principais locadoras e te ajuda a encontrar os melhores preços e condições de aluguel.

Também dá para tentar fazer tudo por conta própria, utilizando transporte público, bicicletas e táxis, mas pode ficar mais complicado e até mais caro. Sem falar no perrengue.

Se você optar por passeios de agências, é possível contratar o serviço com antecedência e já deixar tudo programado para a sua viagem. Aqui há várias opções de atividades e empresas locais:

 

Quanto custa viajar pelo norte da Argentina

Eu gastei, em média, 40 dólares por dia e por pessoa, com hospedagem em quartos duplos de pousadinhas locais e simples. O orçamento permitiu comer muitas vezes em restaurantes, mas por praticidade e economia acabei recorrendo aos choripans (cachorro-quente típico da Argentina) e empanadas algumas vezes. Fizemos todos os tours partindo de Salta e eles são, sem dúvida, o item que mais pesa no orçamento.


Compartilhe!







Quer nosso kit de Planejamento de Viagens?
Contém um Ebook, tabelas de orçamento,
roteiro e check-list (DE GRAÇA!)




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

16 comentários sobre o texto “Norte da Argentina: roteiros de viagem e destinos imperdíveis da região

  1. Bom dia.

    Quero mto fazer esse roteiro, entretanto tenho um bebe que em Abril/Maio (época q pretendo ir) estará com quase 1 ano e meio. Será que dá pra usar carrinho em gde parte do roteiro?

  2. Pretendo ir a Salta de aviao e depois Jujuy, em outubro; Chegando lá , é possivel contratar agentes locais para fazer o tour. É Caro?? e a hospedagem, facil?

    1. Sim, é possível contratar agência para tours. Depende do que é caro pra você, eu não achei caro. Há muitos hotéis e pousadas.

      Abraços!

  3. Você foi sozinha? É tranquilo para mulheres que viajam sós, ou você sentiu hostilidade/perigos um pouco maiores?

    Sei que estamos na machistíssima América Latina, mas sei lá, né? :$ Em alguns lugares, mulheres sozinhas chamam mais atenção do que em outros…

    1. Camila, não fui sozinha, mas não vi absolutamente que me fizesse pensar que não é seguro para mulheres. Como você disse, é América Latina, com tudo de bom e de ruim que isso possa significar, mas não vi nada que me fizesse pensar que uma menina não deveria estar ali só.

      Abraços!

      1. Só para contar que estive nesses lugares quase todos em dezembro de 2017 / janeiro de 2018 como nômade digital. Acho que nunca fui tão feliz — e é seguro para mulheres, sim. <3

    1. Oi Denivaldo, nos fomos de ônibus de Buenos Aires para Mendoza e de lá para Salta, mas você também pode ir a partir de Córdoba. Se estiver na Bolívia também dá pra atravessar a fronteira por terra.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.