Vale a pena fazer um intercâmbio da AIESEC?

Não vou mentir para você: minha primeira impressão da AIESEC não foi das melhores. Nem a segunda. Mesmo assim, não tenho como negar que um intercâmbio dessa organização mudou minha vida. Antes de te explicar o porquê, é melhor relembrar o que é e como funciona a AIESEC.

Conheci a AIESEC em 2011 e logo descobri que essa era uma das formas mais baratas de viajar e morar no exterior, muito mais em conta que fazer um intercâmbio por uma agência de viagens. Para quem não sabe, se trata de uma organização sem fins lucrativos e gerenciada por jovens, na maioria estudantes universitários, que organiza programas de intercâmbio em mais de uma centena de países.

Os programas podem ser de trabalho voluntário, em que o intercambista vai ao exterior para trabalhar numa ONG ou fundação parceira da AIESEC, ou profissional. Neste caso é trabalho mesmo, com obrigações, demandas e um salário no final do mês.

Num resumo, funciona assim: o interessado entra em contato com a AIESEC da cidade dele. Depois de uma entrevista e alguns eventos em que tudo é explicado, a pessoa é aceita (ou não). Quem pretende viajar precisa pagar uma taxa para ter acesso ao banco de dados da AIESEC, que tem vagas em todo o mundo.

Quem preferir pode trabalhar voluntariamente na cidade onde mora. Entre outras coisas, essa pessoa pode ajudar a AIESEC a trazer estudantes de outros países para programas de intercâmbio no Brasil e ter assim contato com outras culturas.

Rishikesh, Índia

Um dia normal em Rishikesh, na Índia

Meu intercâmbio profissional com a AIESEC

É como a procura de um emprego: você acha algo que te interessa, manda seu currículo (em inglês), marca uma entrevista por Skype e, se aprovado, pronto, faça as malas e prepare-se para embarcar. A AIESEC é muito forte em países em desenvolvimento, que concentram a maior parte das vagas – Índia, China e Rússia são alguns exemplos, assim como toda a América Latina. As vagas na Europa Ocidental e nos Estados Unidos existem, mas em menor número e, como era de se esperar, são muito mais concorridas.

Mas por que minha primeira impressão não foi das melhores? É que, além do preço, uma coisa que me atraiu na AIESEC foi a possibilidade de trabalhar na minha área de atuação – o jornalismo – em outro país. Meu objetivo não era só viajar, não era fazer trabalho voluntário, mas ter uma experiência que fosse útil profissionalmente e que passasse a fazer parte (e a se destacar) no meu currículo. Durante meses eu procurei por vagas assim no sistema da AIESEC. Nada.

O prazo de três meses já estava no fim e eu, Naty e Luíza, que também procuravam o mesmo tipo de vaga, não tínhamos encontrado nada que nos interessasse. As vagas para outras áreas de atuação eram muitas e interessantes, as de trabalho voluntário também, mas as de jornalismo não.

Quando estávamos para desistir – e depois de muita conversa com o pessoal da AIESEC Belo Horizonte, que sempre foi muito prestativo – achamos três vagas em uma empresa de Tecnologia da Informação de Chandigarh, da Índia. Não era exatamente o que nós queríamos, mas oferecia um desafio interessante: teríamos que escrever textos em inglês. Topamos.

Veja também: como conseguimos um emprego na Índia

Trânsito Índia

Chandigarh, Índia

Se você é leitor do 360, então já conhece essa história. Nós passamos seis meses na Índia, enfrentamos um tremendo choque cultural, viajamos por todo o país e de quebra demos uma volta ao mundo. Assim nasceu este blog, que hoje é minha única fonte de renda, o que prova o começo deste texto – um intercâmbio da AIESEC mudou minha vida. Mas quase toda a experiência que eu tive com a AIESEC Chandigarh, na Índia, passou longe de merecer um elogio. Foi um desastre.

Os membros da AIESEC indiana deveriam dar apoio aos intercambistas, ajudando na adaptação dos estrangeiros ao país. Por exemplo, eles deveriam nos buscar na rodoviária de Chandigarh, já que nem tinham nos informado o endereço da casa onde iríamos morar, mesmo com muita insistência da nossa parte – se eles não nos buscassem, ficaríamos foreveralone na rodoviária de uma cidade desconhecida e sem falar uma palavra em hindi.

Intercâmbio da Aiesec na Índia

Da varanda de casa, em Chandigarh, três simpáticas visitas

Ao contrário do combinado, eles não apareceram (mais tarde descobrimos que estavam todos numa festa da AIESEC). Depois de muita dificuldade, da ajuda de um policial e de um intercambista da Nigéria que já estava morando lá há alguns meses, descobrimos o endereço da casa, que deveria ter alguns requisitos básicos: um fogão, uma geladeira, um sistema de aquecimento de água, camas e roupas de cama, itens obrigatórios pelo contrato entregue pela própria AIESEC Chandigarh. Não tinha nada disso.

O fogão estava quebrado. A geladeira não funcionava direito. As camas eram essas aí, da foto abaixo. Os lençóis estavam imundos, assim como a casa, repleta de restos de comida, garrafas de cerveja e poeira, muita poeira. Passamos dois dias limpando tudo, pagamos para consertar o fogão, convivemos durante um mês com a geladeira estragada e, depois de muita reclamação, conseguimos um ebulidor, instrumento que colocávamos num balde cheio d´água para, com a água aquecida, tomar banho de baldinho.

E olha que chegamos no começo do inverno, quando as temperaturas começam a abaixar e podem chegar perto dos 0ºC. Vale dizer também que a hospedagem não era de graça – pagávamos cerca de 1/3 do nosso salário para a AIESEC Chandigarh, que alugava a casa e repassava o dinheiro para o proprietário.

Cama na Índia

Você pode argumentar que a AIESEC me tirou da zona de conforto, me fez quebrar a cabeça e aprender a me virar, o que não deixaria de ser verdade. O problema é que isso ocorreu por conta da tremenda incompetência e falta de interesse que eles demonstraram. Eu sai da minha zona de conforto. Eles não.

Um mês depois, ouvimos boatos de que 20 intercambistas estavam chegando e que toda essa gente ficaria na mesma casa de dois quartos (e um banheiro) onde estávamos. Antes que nossa moradia virasse uma filial do inferno, corremos para as colinas, ou melhor, para a casa de outros estrangeiros que estavam ali por causa da AIESEC, mas que já tinham desistido de morar numa casa da organização. As coisas melhoraram. Muito. E sim, os tais 20 intercambistas realmente chegaram e passaram a morar em nossa antiga casa de dois quartos e apenas um banheiro.

Só fui conhecer a pessoa da AIESEC que deveria me dar apoio e ajudar na adaptação ao país na minha última semana por lá, depois de longos seis meses sem qualquer contato da parte dela. Nós tentamos o contato algumas vezes e, para ser justo, houve uma pessoa da AIESEC Chandigarh que até tentou nos ajudar. Mas foi só um. Nessa altura o cenário já era muito pior, com vários de intercambistas reclamando desse comitê da AIESEC em grupos do Facebook.

Conheci gente que foi para a Índia pela AIESEC, mas para cidades como Delhi e Mumbai, e teve muito apoio dos membros da organização, além de morar em casas com boa estrutura. Também ouvi relatos e reclamações parecidas com as minhas. Não conto essa história para dizer que você não deve ir, pelo contrário, mas para que você saiba o que deve esperar e estar preparado para se virar, caso a organização não funcione como o esperado.

Como fazer um turbante sikh

Eu e meu primeiro turbante sikh

Vale a pena? Muito. Eu faria de novo, numa boa, apesar dos perrengues. Fiz amigos fantásticos, tive uma experiência profissional que passou a se destacar no meu currículo, cresci profissionalmente e como pessoa. No fundo, o intercâmbio foi aquilo que tinham me prometido, antes de sair de Belo Horizonte: um divisor de águas, embora não exatamente do jeito que eu tinha imaginado.

Se você resolver fazer o mesmo, mas quiser minimizar os problemas, converse com intercambistas que já estejam na cidade onde você pretende morar. Eles podem te dar uma ideia de como são as coisas e o que você vai encontrar por lá. Além disso, essas pessoas também podem te ajudar. Foi assim comigo.

Minha experiência com um intercâmbio de trabalho voluntário da AIESEC

Já publicamos aqui no 360 vários relatos de jovens brasileiros que foram viver nos mais diversos países e voltaram com relatos comoventes e encorajadores, todos por intercâmbios voluntários da AIESEC. Foi esperando uma experiência assim, que pudesse causar impacto na vida de outros, não apenas na minha, que resolvi encarar um segundo intercâmbio da AIESEC, em julho deste ano. O destino dessa vez? A Argentina.

Eu e a Naty conseguimos duas vagas em ONGs diferentes de Buenos Aires. A minha era uma fundação que trabalha com crianças e educação, enquanto ela trabalharia com sustentabilidade, construindo casas ecologicamente corretas e trabalhando numa horta.

Dessa vez, a AIESEC se mostrou presente. Eles estavam me aguardando no hostel, no dia em que cheguei em Buenos Aires. Por falar nisso, lá os intercambistas moram em hostels, que têm parcerias com a AIESEC, boa estrutura e preços fantásticos para quem viaja pela organização. O pessoal da AIESEC local também me  explicou como funcionam as coisas na cidade, isso logo na minha primeira semana na Argentina.

No meu primeiro dia de trabalho, eles me levaram na ONG. Ajudaram com tudo, estavam em comunicação constante, me convidaram para festas e eventos, enfim, recepção perfeita e o comportamento que eu esperei encontrar na Índia, um país em que isso teria sido muito mais útil que na Argentina, onde o choque cultural e as diferenças não são tão grandes.

Buenos Aires, Argentina

Centro de Buenos Aires, onde morei por seis semanas

Tudo ótimo, mas com um problema: meu trabalho na ONG era inútil. Não ajudava ninguém e não havia o que fazer, eram horas diárias perdidas no escritório. Poucas tarefas, muitos voluntários. O da Naty também não era bem o que ela esperava. Num dia, pintou uma porta da ONG, tarefa dada por um coordenador. “Eu pintei essa mesma porta na semana passada”, revelou um intercambista dos Estados Unidos. No fim, meu primeiro intercâmbio foi muito mais útil e gratificante que o segundo, embora o apoio da AIESEC tenha sido muito maior na Argentina.

Vai fazer um intercâmbio de trabalho voluntário pela AIESEC? Ótimo! Não pense que todos os relatos são como o meu. Destaco os relatos positivos que estão aqui no blog mesmo: o  texto da Tatiana de Brito, que foi para a Bolívia, e da Ângela Prestes, que morou em Moçambique.

Histórias incríveis – o tipo de coisa que eu queria viver, mas que não foi possível. Meu conselho para você é bem parecido com o do intercâmbio profissional: tente falar com alguém que já tenha trabalhado na ONG que você tem interesse e veja se o projeto é legal mesmo, ou se é desorganizado e não funciona direito.

intercâmbio da Aiesec

Puerto Madero, bairro de Buenos Aires

Se tudo der errado, lembre-se que a AIESEC é gerenciada por jovens voluntários, gente sem experiência e que já merece muitos elogios por fazer uma organização internacional funcionar, mesmo que com problemas. Para muitos estudantes, a AIESEC é a melhor – em alguns casos, a única – oportunidade de estágio e intercâmbio que vale a pena. E muita, mais muita gente mesmo, cresce por meio dessas experiências.

E, por mais que as coisas nunca sejam perfeitas, sempre é possível tirar algo de bom de novas experiências. Comigo foi assim na Índia. Não vai ser diferente com a Argentina.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

109 comentários sobre o texto “Vale a pena fazer um intercâmbio da AIESEC?

  1. Boa tarde, gente! Assim como vocês, também sou jornalista, concluo a graduação ao final do ano. Desde que entrei na faculdade o meu sonho é conhecer a América Latina, em especial a Colômbia. Li o seu relato a respeito das vagas para jornalismo serem muito limitadas. Vocês sabem me dizer se esse quadro ainda persiste ou se já existem mais vagas para a área?

  2. Boa tarde! Minha filha estará participando do intercâmbio em Lima. Trabalhará em escritório p/ 1 mês e meio, e ficará com uma famia. Formou-se em Engenharia Civil. Preocupo-me muito. Conhece alguém que já esteve lá? Gostaria de conversar e me tranquilizar. Obgda.

    1. Oi, Adelaide.

      Não conheço ninguém que foi ao Peru pela AIESEC. Fale para ela conversar com alguém que tenha feito o mesmo intercâmbio que ela, perguntar com funciona na prática.

      Abraço.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.