Tags:
Atlas: Barcelona, Espanha

Curiosidades e mitos de Barcelona

Se fosse uma pessoa, Barcelona seria irmã de Aníbal. Sim, aquele Aníbal, considerado até hoje um dos maiores líderes militares de todos os tempos, apontado por historiadores como o pai da estratégia. O Aníbal que foi pesadelo de Roma e, por muito pouco, não derrubou o maior Império do seu tempo. Isso porque, diz um dos mitos fundadores de Barcelona, a cidade foi criada por Amílcar Barca, o pai de Aníbal.

Mitos e lendas fazem parte da história de muitas cidades europeias. Não é diferente com Barcelona, cidade que guarda milênios de histórias. Que tal conhecer alguns desses mitos, ou mesmo histórias reais, mas que pouca gente sabe? Prepare-se, afinal tem de tudo no passado de Barcelona. Até um semideus e o maior personagem da literatura mundial. Mas nada de pular capítulos – voltemos a falar da família Barca.

Fundada por Amílcar Barca

Uma coisa é certa: a família Barca odiava Roma. O general Amílcar Barca deu um trabalho danado para a então República Romana, mas acabou sendo derrotado. Mais sorte teve seu filho, que chegou a mandar 70 mil romanos para o outro mundo numa mesma batalha, incluíndo ⅓ do Senado e três cônsuls, o maior cargo político de Roma naquele período. Se educação vem de berço, Aníbal aprendeu com o melhor. Dizem que quando criança, Aníbal pediu para acompanhar o pai numa batalha, na Espanha.

“Ok, filhão, você vai. Mas com uma condição.”

“Beleza, pai, já sei, devo ficar em segurança e não fazer nada de errado.”

“Quem disse isso, Aníbal? Tá doido? Você tem é que jurar que vai odiar Roma para sempre. Ouviu? PARA SEMPRE! Nunca seja amigo daquele povo”

“Juro.”

“Assim não vale. Pega a espada e levanta a mão.”

Mitos de Barcelona

Ilustração de John Leech (1817–1864) mostra juramento de Aníbal 

Foi durante uma das aventuras de Amílcar Barca pela região que hoje é a Espanha que, diz a fofoca há séculos, Barcelona foi fundada. Essa teoria explicaria até a origem do nome da cidade (Família Barca… Barcelona), mas esbarra na concorrência entre os mitos fundadores. É que tem outro guerreiro que afirma ser o pai de Barna. E, por essa lógica, Barcelona seria neta de Zeus.

Fundada por Hércules

Ser descendente de Hércules dá a maior moral, por mais que o cara não tenha existido. Muita gente já alegou isso, tipo Alexandre, o Grande. Barcelona não fica atrás. Um dos mitos da cidade garante: Barna foi fundada durante uma viagem de Hércules pela região. Para sermos mais específicos, logo depois que ele cumpriu o quarto trabalho – capturar (vivo) o javali de Erimanto.

Diz a lenda que Hércules estava navegando no Mar Mediterrâneo, numa frota de nove navios que era liderada por Jasão. Enquanto navegavam perto da costa da Catalunha, uma tormenta dispersou a frota. Oito navios voltaram, mas o nono sumiu.

Mitos de Barcelona

“Javali capturado. Segura aí. Agora me dá licença que tenho uma cidade pra fundar.”

Como se já não tivesse muitas tarefas, Jasão deu a Hércules mais uma: achar onde diabos o nono navio estava. “Moleza”, disse Hércules, que achou os marinheiros no local onde hoje fica Barcelona. Como não poderia deixar de ser, eles estavam apaixonados pela região. Por isso, Hércules fundou ali uma cidade. O nome? Barca Nona. Pegou a ideia?

Mas e aí, qual das duas histórias é verdadeira? Talvez nenhuma. Ou as duas. Tem quem garanta que a cidade foi mesmo fundada por Hércules, voltou ao mapa com Amílcar, e ainda recebeu uma visita de Aníbal, já adulto e liderando exércitos. Teria sido essa passagem de Aníbal que colocou Barcelona no mapa de uma vez por todas. De fato mesmo, sabemos apenas que Barcelona era uma das cidades romanas durante o reinado de César Augusto, que tinha até um templo por lá.

Visitada por Dom Quixote

Hércules e a família Barca podem nunca ter colocado os pés em Barcelona, mas Dom Quixote esteve lá. O personagem de uma das maiores obras de ficção de todos os tempos passou pela cidade no final de suas aventuras, conforme narrado por Miguel de Cervantes no segundo volume da obra. Com ele estava Sancho Pança, seu fiel companheiro.

Dom Quixote deu sua opinião sobre a cidade, que para ele era “fonte de cortesia, abrigo de estranhos, hospício para os pobres, terra dos valentes, uma cidade única em sua localização e beleza”. Sei lá você, mas acho que essa definição continua atual mesmo 400 anos depois.

Mitos de Barcelona: Dom Quixote

Dom Quixote e Sancho, em ilustração de Gustave Doré (1832–1883)

Mas o que Dom Quixote fez em Barcelona? Bem (spoiler alert), foi lá que ele viu o mar pela primeira vez na vida. E se impressionou com a vastidão do oceano. Além disso, boa parte da ação do livro acontece numa praia de Barcelona. Mas não vou falar nada além disso. Quer conhecer a história? Aproveita que os livros do Dom Quixote estão em Domínio Público. Clique nos links (volume 1 e volume 2) e comece a viajar com ele.

Abençoada por uma Santa

O mundo não era um lugar muito legal para cristãos uns 400 anos depois que Cristo deu as caras por aqui. A jovem Eulália, então com 13 anos, sentiu isso na pele. A história aconteceu bem no centro de Barcelona. Primeiro, uma turba exigiu que ela deixasse sua fé de lado. Quando ela se recusou a fazer isso, a turba pensou em argumentar de forma racional, com uma série de ofertas teoricamente irrecusáveis. Essas:

“Ou você larga esse tal Jesus, ou então vamos te colocar dentro de um barril cheio de facas e te rolar morro abaixo”.

A moça não topou. Então o barril foi empurrado ladeira abaixo. Depois, ela foi torturada, crucificada e, finalmente, decapitada. Mesmo assim, Eulália não abandonou sua religião. Diz a tradição católica que, quando ela morreu, uma pomba saiu de dentro do pescoço (sem cabeça dela), o que deve ter deixado seus torturadores boladíssimos.

Séculos mais tarde, Eulália virou Santa. A ladeira que viu seu martírio passou a se chamar Baixada de Santa Eulália e o corpo da moça foi enterrado na Catedral de Barcelona. Mas que parte dessa história é verdadeira?

Não há dúvidas de que muita violência já foi cometida em nome da religião, inclusive por parte do cristianismo, claro. Já a parte da pomba que voou do pescoço dela, bem, isso depende da sua fé. De qualquer forma, Eulália é uma importante parte da fé do povo de Barcelona.

Planeje sua viagem:  Saiba onde ficar em Barcelona

Bairro Gótico

Cripta de Santa Eulália (Foto:  Xavier Caballé, Wikimedia Commons)

Visitada por Cristóvão Colombo

A estátua observa o mar do alto de uma coluna de 60 metros. Erguida no final no século 19, representa Cristóvão Colombo, que descobriu o Novo Mundo em 1492. A estátua – hoje um símbolo de Barcelona – aponta na direção da América, mas só metaforicamente mesmo, já que a América está no sentido oposto. Mas o que faz uma estátua de Colombo em Barcelona? Bem, o descobridor passou algumas vezes pela cidade.

Na época em que Colombo ampliou o mundo, a Espanha já era um país unificado. A Família Real chegou a morar (e governar) dali, o que justificava a existência de um Palácio Real na cidade. Os Reis Católicos – como eram chamados os governantes da Espanha na época – foram os patrocinadores de Colombo, por isso ele teve que passar por Barcelona e prestar contas de suas descobertas.

Colombo, que estava convencido de que a América era a Índia, desembarcou em Barcelona no dia 3 de abril de 1493. Foi recebido pelo Rei e pelo povo, que naquela altura já sabia de tudo. É que a carta que Colombo tinha enviado ao rei, meses antes, já circulava por toda a Europa.

Curiosidades e mitos de Barcelona

Quando estiver em Barcelona, lembre-se que um dos momentos mais importantes da História aconteceu ali, nas ruas da Cidade Velha. Foi por causa do testemunho dado por Colombo que Portugal e Espanha fecharam o Tratado das Tordesilhas. Além disso, Colombo fez muito mais do que descobrir um Novo Mundo: ele criou outro. Há quem diga que a chegada de Colombo à América foi o acontecimento mais importante do planeta desde a extinção dos dinossauros. E Barcelona teve papel nisso tudo.

Cidade das Exposições (e da Torre Eiffel)

O Monumento a Cristóvão Colombo foi uma das obras inauguradas para a Exposição Universal de 1888, evento que aconteceu em Barcelona. Mas não foi a única. Já te contamos aqui no blog que o Bairro Gótico, uma das partes mais legais da cidade, nasceu na década de 1930, como uma reformulação da cidade para outro evento.

E a lista de atrações de Barcelona que nasceram por causa de grandes eventos não para por aí. A cidade também se reconstruiu para as Olimpíadas de 1992. E dois cartões-postais tradicionais – o Arco do Triunfo e o Parque da Cidadela – também foram projetados para o evento de 1888.

Ok, ok, concordo que o monumento parisiense é muito mais bonitão. Mas o Arco de Barcelona também guarda uma história interessante. Ele foi projetado para ser a porta de entrada para o local de exposição. Enfim, nada muito diferente do que aconteceu na Exposição Universal do ano seguinte, em Paris. Só que lá a entrada para a feira era muito maior – 270 metros mais alta, para sermos mais exatos. E também virou um monumento muito mais conhecido. Olha só:

expo 1889

Já imaginou se tivesse sido o contrário? Se a Torre Eiffel fosse erguida não em Paris, mas em Barcelona? Bem, tem muita gente que acredita que isso quase aconteceu. Segundo a Wikipédia (que cita várias fontes espalhadas pela internet), o projeto da torre foi oferecido para Barcelona, que sediaria o evento de 1888. Só que o governo local achou a obra cara, recusando a proposta.

Um guia oficial da Torre Eiffel me garantiu que a Torre foi pensada para ser em Paris. Sinceramente, eu acredito mais nessa versão. Mas vai falar que não seria interessante imaginar a Torre Eiffel na cidade espanhola?

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países da Europa e pode ser exigido na hora da imigração. Além disso, é importante em qualquer viagem. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.

Clube Grandes Viajantes

Gostou deste texto? O 360meridianos faz jornalismo de viagem profissional, completo e de qualidade. Com a pandemia, vimos o site entrar em risco. É que produzir conteúdo bem-feito dá trabalho – e custa caro. Infelizmente, não conseguimos escrever reportagens especiais, dicas de viagem completíssimas e histórias cativantes sem dinheiro.

Foi por isso que criamos o Clube de Assinaturas Grandes Viajantes, um espaço para apaixonados pelo 360meridianos, por viagens e por leitura. As contribuições de 9 ou 19 Reais garantem não só que consigamos continuar produzindo textos como este, mas também te prometemos diversas recompensas exclusivas: ebooks, lives, um grupo de discussão, um minicurso de escrita e muito mais! Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 comentários sobre o texto “Curiosidades e mitos de Barcelona

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.